RELEVÂNCIA DA ATENÇÃO INTERPROFISSIONAL NA REABILITAÇÃO DE PACIENTES AMPUTADOS

O tema amputação ainda é tratado com temor e é considerado certo "tabu" por grande parte da população. Entretanto, muito se evoluiu dos tempos antigos aos mais atuais, levando-se em consideração as suas causas, os procedimentos, as complicações, as perspectivas de vida do indivíduo e sua re-inserção no âmbito social. Não podemos negar que epidemiologicamente as estatísticas referentes aos pacientes amputados chegam a assustar mundialmente, principalmente por etiologias que poderiam ser evitadas ou controladas, como por exemplo, a diabetes mellitus e o tabagismo. Contudo, atualmente uma demanda maior de profissionais de saúde é formada para fornecer atenção necessária englobando as questões preventivas, de controle dos danos já estabelecidos ou reabilitando essas pessoas. A interprofissionalidade, tema tão almejado e por muitas vezes abstrato na área de saúde, é de fundamental relevância na atenção às pessoas amputadas. As etiologias são diversas e cada fase da vida possui particularidades tanto no fator causal como na condução da Reabilitação. Costumamos dizer que o paciente não tem uma amputação e sim uma "síndrome da amputação", pois com o processo cirúrgico vêm embutidas as questões clínicas (dor, hipersensibilidade cicatricial, fraqueza muscular, alteração no equilíbrio,...), questões psicológicas (alteração muitas vezes brusca da imagem corporal, sentimentos de limitação e incapacidade,...), questões funcionais (dependência de familiares certas vezes para necessidades básicas como higiene pessoal, imobilidade no leito, descondicionamento cardiorrespiratório,...), dentre outros fatores.

Portanto uma série de profissionais deve estar envolvida no trabalho com pacientes amputados. Dentre eles Médicos, Enfermeiros, Fisioterapeutas, Ortoprotesistas, Psicólogos, Terapeutas Ocupacionais, Nutricionistas e Educadores Físicos. Cada um terá uma relevância maior em um determinado momento, mas a linguagem desta equipe deve ser única para que o foco principal do trabalho, que é o paciente, seja beneficiado e sua condição seja potencializada pensando-se sempre numa perspectiva FUNCIONAL.

Texto Escrito por: Lauro Rocha de Oliveira Filho Fisioterapeuta do Centro de Reabilitação e Protetização Alta Forma
lauro.rocha@yahoo.com.br
www.altaforma.com.br



RETORNAR